Dietas e Dieta

------------------------

dieta para perder peso.

atitudes além da dieta que ajudam a emagrecer
Pensar a longo prazo, não se punir demais e passar longe das dietas milagrosas são fundamentais para a perda e manutenção do peso!

Emagrecimento não depende só de mudanças no comportamento, como entrar na dieta e se matricular na academia. A conscientização e mudança de mentalidade são igualmente importantes para que a meta seja atingida e, principalmente, para que o resultado dure.

Para a nutricionista Roberta Stella, do Portal Dieta e Saúde, a mudança de atitude é o primeiro passo para a perda de peso e deve começar antes da dieta. "A forma com vê e como se comporta durante o emagrecimento é tão importante quanto o tipo de alimentação que seguirá para eliminar peso. Pensar em mudar a alimentação para melhorar o hábito alimentar e não somente fazer uma dieta é uma boa maneira de garantir um emagrecimento saudável e conseguir manter o peso, evitando o sobe e desce do ponteiro da balança", defende.

De acordo com ela, as pessoas que pensam somente em eliminar peso sem mudanças de atitudes rapidamente podem conseguir emagrecer. "Entretanto, grandes expectativas, metas irreais e alimentação altamente restrita geram uma alta cobrança e podem levar a um baixo engajamento e, consequentemente, à desistência no meio do caminho. Ou ainda, a pessoa chega ao peso desejado, mas como não resolveu problemas emocionais e comportamentais relacionados aos alimentos, ganhará peso novamente"

------------------------

Seis alimentos recomendados para perder peso.

Seis alimentos recomendados para perder peso
Para quem quer perder peso, as mudanças na alimentação são o primeiro passo. O iG Saúde pediu a duas nutricionistas listarem quais são os produtos que aceleram e facilitam o emagrecimento, além de terem alto potencial nutritivo.

A seguir, confira as opções elencadas por Larissa Paiva, nutricionista da PB Consultoria em Nutrição e pela médica e nutróloga Cristiane Coelho como as "queridinhas" da dieta.
Óleo de coco

"A gordura retirada do coco é fonte de triglicerídeos de cadeia média (TCM), facilmente absorvidos e transformados em energia no fígado, não se acumulando como gordura", informa Larissa Paiva. "Outras pesquisam trazem que o óleo de coco auxilia na redução de peso, uma vez que estimula a glândula tireoide, aumentando o metabolismo basal." O ideal é consumir de 1 a 2 colheres (sopa) por dia. Utilize em preparações frias, como saladas, sucos e frutas e na finalização de pratos quentes, a fim de preservar sua ação antioxidante.

Substitua o pão com manteiga por óleo de coco
-------------------------

Frutas vermelhas .

Frutas vermelhas
"Elas são gostosas e variadas, mas não só isso", diz a médica nutróloga Cristiane Coelho. "As frutas vermelhas aumentam a imunidade; previnem problemas cardiovasculares e combatem os radicais livres por conterem ácido elágico, um poderoso antioxidante", acrescenta. Podem substituir as gordurosas sobremesas industrializadas e usadas como lanches entre as refeições.

Atenção ao morango: algumas pessoas são alérgicas

"Os peixes possuem menos calorias, menor quantidade de gordura saturada e maior quantidade de nutrientes, quando comparado a carnes vermelhas, auxiliando no processo de emagrecimento", define Larissa Paiva. "Arenque, atum, sardinha, salmão contem um alto teor de gordura poliinsaturada, o ômega-3, que tem função antiinflamatória e está relacionado com a prevenção de doenças cardiovasculares. Isso seria benéfico também para a perda de gordura abdominal quando associada a uma dieta adequada e a prática de atividade física", informa Larissa ao emendar que a forma de preparo dos peixes também interfere no processo. "Prefira consumi-los grelhados ou assados sem muita gordura. Ou se for consumir em local de procedência confiável, o peixe também pode ser consumido.

-------------------------

Ganhe motivação na dieta com dicas de quem conseguiu emagrecer.

Ganhe motivação na dieta com dicas de quem conseguiu emagrecer
Casos de sucesso contam como não perder o pique e atingir sua meta
Emagrecer é uma das promessas mais comuns traçadas na virada do ano. A ideia de não ter mais vergonha de expor o corpo, de poder escolher mais opções de vestuário e de renovar a autoestima sempre motiva a mergulhar de cabeça em uma dieta. O problema é que manter a disciplina nem sempre é fácil e muitos acabam desistindo no meio do caminho. Outro obstáculo é manter o peso depois de emagrecer, culminando no famoso efeito sanfona. Para acabar de vez com esses problemas, selecionamos sete casos de sucesso de assinantes do programa Dieta e Saúde (Descubra seu peso ideal) . Eles contam como atingiram suas metas e dão dicas para você cumprir a sua.

---------------------------

Famosas fazem dieta sem glúten para perder peso em poucos dias.

Famosas fazem dieta sem glúten para perder peso em poucos dias Oferecido por
Dieta de emergência faz desinchar e perder a barriga rapidamente
Gisele Bündchen, Juliana Paes, Lady Gaga, Gwyneth Paltrow e Miley Cyrus são apenas algumas das celebridades que adotaram a dieta sem glúten. Umas por serem celíacas, com intolerância ao glúten, e outras simplesmente para desinchar e eliminar os quilinhos extras. A dieta até funciona, mas como qualquer outra é preciso de acompanhamento e certos cuidados.

De acordo com Tathyana Freitas, nutricionista da Clínica Stesis, a doença celíaca é uma inflamação que a pessoa pode ter no intestino delgado e que proporciona sintomas como diarreia, dor abdominal e náuseas quando ingeridos alimentos com glúten em sua composição, ou seja, que são feitos com farinhas de cereais, como o pão, bolacha, massa, pizza, biscoito, entre outros. "O glúten é a principal proteína presente no trigo, na aveia, no centeio, na cevada e no malte", diz. Ela comenta que sua importância na alimentação é muito relativa por ser uma proteína de baixo valor nutricional e não possuir todos os aminoácidos essenciais.

Visto que esses alimentos são comuns no dia a dia, ou da preferência de algumas pessoas, e são bem calóricos, quando ficam restritos na dieta, consequentemente, levam à perda de peso. O fato é que, de acordo com especialistas, a digestão do glúten é difícil. Ela acaba por distender o intestino, causando inchaço. Ao restringi-lo da alimentação, isso pode parecer a perda de peso, mas às vezes apenas são trocados alimentos, muitas vezes, industrializados por opções mais saudáveis.

Isso não significa que alimentos que não contém glúten são mais saudáveis ou menos calóricos. Muitas vezes eles podem conter poucas fibras solúveis, que contribuem para a saciedade e para a boa saúde do intestino. Portanto, a dieta sem glúten nem sempre será a solução para quem quer, simplesmente, perder peso, mas mais eficaz para aqueles que sofrem com a intolerância a essa proteína. É importante lembrar que o consumo balanceado de verduras, frutas, vegetais, aliado a uma dieta sem glúten pode ser benéfico, mas não apenas por conta da interrupção do consumo do glúten.

De tanto que o assunto virou polêmica até mesmo livros sobre o tema foram lançados. Um deles é o Glúten e Obesidade, a verdade que emagrece, de Regina Racco, que explica sobre as interferências do glúten no bom funcionamento do organismo e ensina uma dieta de oito semanas sem limitações de quantidade e nem contagem de calorias.

Thatyana alerta as mulheres em relação às dietas da moda, já que a maioria leva a erros alimentares consideráveis e nem sempre a mesma dieta pode ser benéfica para os mais variados tipos de pessoa. Segundo a nutricionista o ideal é ter um equilíbrio em relação ao consumo das proteínas, carboidratos e lipídios durante as refeições e manter o acompanhamento com um nutricionista qualificado.

Para os celíacos e adeptos dessa dieta não é preciso mais passar vontade de alguns alimentos que, normalmente, levam o glúten em sua composição. O amido de milho pode ser uma alternativa. Com isso, a Maizena indica receitas de pizza, coxinha e até bolo de chocolate, todas sem glúten para o preparo em casa.

------------------------------

Como planejar uma dieta para perda de peso.

Como planejar uma dieta para perda de peso
Escolher uma dieta para perda de peso pode ser um pouco complicado. Muitas vezes, é necessário experimentar várias até encontrar aquela que funcione para você. E se você não consegue encontrar um plano para perda de peso que combine com você, é melhor seguir um personalizado.
Coloque tudo no papel

A primeira coisa você que precisa fazer é aumentar sua percepção sobre o que você realmente come. A melhor maneira de fazer isso é anotar tudo o que você come todos os dias em um diário alimentar. Esse diário irá deixá-lo mais consciente do que está comendo e quando. Isso já pode ser o bastante para mudar alguns dos seus hábitos com relação à comida. Além disso, usar um diário alimentar é uma boa maneira de monitorar o tamanho das porções que você come e perceber os progressos feitos.
Não há dúvidas de que suas emoções influenciam muito a sua alimentação. E um diário alimentar pode ajudá-lo a identificar como as emoções afetam seus hábitos alimentares e, acredite, este é o primeiro passo para assumir o controle da situação.

Tenha um caderno ou agenda especialmente para fazer esse diário e carregue-o com você sempre que puder.

Toda vez que comer algo, registre as seguintes informações no seu diário:

horário;
alimento ingerido e tamanho da porção (utilize o "Guia de porções", na próxima seção, para fazer uma estimativa);
classificação da fome antes de comer;
seu humor;
com quem você está comendo;
onde você está comendo.
Também pode ser uma boa idéia manter um registro da quantidade de calorias consumidas cada vez que comer. Ao calcular o número de calorias no fim de cada dia, vai saber o quão próximo chegou do número de calorias diárias que havia planejado ingerir. Depois de uma semana registrando tudo, examine tudo o que escreveu, buscando padrões no seu comportamento alimentar. Consegue visualizar áreas problemáticas? Consegue identificar situações específicas ou emoções que o fizeram comer demais ou escolher mal o que ia comer? Está ingerindo o número suficiente de porções de todos os grupos alimentares? Use essas informações para tentar sanar os pontos fracos e continue registrando e analisando as informações periodicamente para avaliar como você está se saindo e se precisa fazer ajustes na sua dieta.
------------------------

Nutróloga recomenda alimentos que saciam para emagrecer.

Nutróloga recomenda alimentos que saciam para emagrecer; veja lista
São os chamados alimentos sacietógenos, que dão saciedade, ricos em fibras solúveis que se dissolvem na água. Exemplos: banana e abacate.
Basta o sol aparecer forte e recomeça o velho dilema: de um lado, as tentações da boa mesa, a falta de tempo para uma rotina saudável e todas aquelas outras desculpas para justificar os quilinhos a mais. Do outro, o sonho da silhueta ideal - de preferência, magra. Uma batalha que parece não ter fim para homens e mulheres. Aliás, que mulher já não tentou alguma dieta com promessa milagrosa pelo menos uma vez na vida?
Simone Dionisio, professora do Ensino Básico em Piracicaba, interior de São Paulo, tentou de tudo. "Até tomar água oxigenada quente de manhã em jejum eu cheguei a tomar", revela. "E dieta da lua e do grão de arroz, de pôr grão de arroz na água. Da berinjela com laranja também. E não passei mal, mas também não emagreci um grama."
O estômago de Simone com certeza sofreu até ela descobrir uma forma menos intragável e mais eficiente para emagrecer, como vamos mostrar mais para frente.
O cardápio é extenso. Nós temos em frente várias opções. Difícil é escolher o quê levar para casa. Será que existem alimentos que fazem bem à saúde e ainda ajudam você a perder peso? Pode ser esse o segredo das novas dietas: fazer da comida uma aliada da balança, transformar as refeições em estratégias para emagrecer.
Para a nutróloga Jane Corona, a regra é não abusar do que engorda e rever alguns conceitos.
"A maioria das pessoas geralmente se preocupa com calorias. Isso é um erro alimentar, porque muitas vezes você escolhe um alimento pouco calórico, mas que não dá saciedade. O importante para quem realmente quer perder peso é consumir aquele alimento que a digestão é mais demorada. A pessoa fica mais tempo sem fome", explica.
São os chamados alimentos sacietógenos, que dão saciedade, ricos em fibras solúveis que se dissolvem na água. Exemplos: banana e abacate, uma dupla com muitas calorias, mas que, segundo a pesquisadora, pode e deve fazer parte de uma dieta.
"Um quarto de abacate com uma banana, perfeito para de manhã, você fica até a hora do almoço sem fome", garante Jane.
Os alimentos que saciam também devem ser usados nas refeições principais. Quem gosta, deve abusar de cebola na comida, um alimento que tem bastante fibra e que dá muita saciedade. Outra sugestão da nutróloga é fazer uma salada de pepino com cebola, dois ingredientes que tiram a fome. Para o fim do dia, outra receita com muita fibra capaz de conter a nossa gula.
"Uma sopa de abobrinha à noite, por exemplo, quem chega tarde em casa, é excelente, porque vai dormir sem fome e não engorda."
Agora anote os alimentos que a nutróloga indica para quem quer perder peso:
- banana
- abacate
- azeite de oliva
- feijão
- cebola
- jiló
- pepino
- abobrinha
- cacau
- canela
- chá verde
- café
Exercício físico é um aliado poderoso em uma dieta. Queimamos mais calorias e por isso emagrecemos com mais facilidade. Alguns alimentos também têm essa função: de fazer o metabolismo trabalhar mais e eliminar gorduras, como se colocássemos o nosso organismo para malhar, apenas escolhendo a comida certa.
Foi o que fez um grupo de mulheres de Piracicaba, no interior de São Paulo, que seguiu à risca uma dieta. Elas foram voluntárias em uma pesquisa que testou uma nova fórmula de perder peso.
Fabiana perdeu cinco quilos.
Marília e Amanda perderam oito.
Simone, a nossa professora das dietas mirabolantes, ainda está gordinha. Mas, acredite: durante a pesquisa ela perdeu 11 quilos, dessa vez sem maluquices. O segredo da dieta? Chá verde.
"Por ansiedade, a gente engordava. Às vezes, não era fome. Era desejo, vontade de comer. E tomando o chá, tirava esse desejo, essa ansiedade, principalmente de doce", lembra Simone.
Durante dois meses, elas beberam diariamente duas colheres de sopa de uma concentração de chá verde em pó, diluída em água gelada.
"Além de emagrecer, a gente não voltou a engordar. Melhora a autoestima e a disposição", comemora a professora Maristhela Juvenal.
"Eu tomei o chá, fiz a reeducação alimentar e emagreci. Eu deixei de tomar o chá, eu adquiri alguns quilos", acrescenta a dona de casa Débora Bovi.
A pesquisa foi desenvolvida na Esalq, escola de agricultura da USP, com 40 mulheres. Para não gerar dúvidas, todas passaram por uma dieta de adaptação um mês antes de começar o estudo. Mas, sem saber, uma parte tomou um pozinho sem o extrato de chá verde.
"O grupo que consumiu o chá verde foi o único grupo que perdeu peso, cerca de 5,7 quilos em média. As que não consumiram o chá não tiveram modificação nenhuma", diz a educadora física Gabrielle Cardoso.
O chá verde, tão simples, guarda uma substância poderosa contra as gorduras: a catequina. "Ele auxilia na queima calórica. Ele aumenta a queima calórica em até 5%", conta Gabrielle. "O chá verde quebra a gordura armazenada no organismo e faz com que a gordura que você consome em alimentos não seja totalmente absorvida pelo seu organismo."
E mais: a gordura que não ficou acumulada no corpo pode se transformar em energia para quem pratica exercícios físicos.
"As voluntárias que fizeram exercícios e tomaram chá verde perderam cerca de nove centímetros na circunferência da cintura, enquanto as que tomaram apenas chá verde tiveram reduzido por volta de cinco centímetros a sua circunferência da cintura", afirma Gabrielle.
Maristhela também passou anos brigando com a balança. Desde que começou a tomar o chá verde, já perdeu 10 quilos.
"Antes eu tinha que colocar a bermuda, deitar na cama, murchar a barriga e puxar o zíper. Agora eu vejo que ela sai praticamente fechada. As roupas antigas eu pretendo guardar, porque pretendo ter como lembrança de que um dia eu já fui assim e pretendo não ficar mais", avisa Maristhela.
Mas, atenção: a universidade usou um pó com alta concentração de catequina. Para conseguir o mesmo efeito com as folhas, seria preciso beber muito chá. Os especialistas recomendam que o consumo diário não passe de dez gramas da folha em um litro de água fervente. A pessoa vai emagrecer, sim - um pouco mais lentamente do que as voluntárias da pesquisa.
A bioquímica Gláucia Pastore, da Universidade de Campinas, pesquisa os efeitos dos alimentos no nosso corpo há mais de 25 anos, e tem uma explicação para a eficiência do chá verde: é um termogênico, ou seja, um alimento que produz calor, acelera o nosso metabolismo e, consequentemente, aumenta o gasto calórico. Por isso, é preciso cuidado para não exagerar no consumo.
"Se a gente acelerar demais, você também vai ter outros problemas relacionados. Por exemplo, taquicardia e respiração modificada. Em geral, esses alimentos podem desencadear alguma reação como uma ativação de um estado de alerta um pouco mais acelerado, e aí pode prejudicar o sono", alerta a bioquímica.
Outros exemplos de termogênicos: a canela, o café, o azeite de oliva e as pimentas - campeãs nesse quesito. Mas a pesquisadora aconselha: a melhor dieta é mesmo a clássica: com muitos legumes, frutas e verduras.
"A gente pode aproveitar a nossa própria vida moderna. Pode levar para o trabalho umas duas ou três frutas e comer ao longo do dia entre as principais refeições. Isso faz com que você se sinta mais disposta e vai comer menos nas refeições principais", recomenda.
Nesse lanche, você deve usar frutas que saciam mais, como a ameixa, o pêssego, a manga e a pera.
A fisioterapeuta Shirlei Ávila dá aulas durante todo o dia em uma academia do Rio de Janeiro. Muitas vezes, faz as refeições lá mesmo. No prato, a proteína do ovo, verduras, pepino, manga e, como tempero, outro termogênico que é novidade nas dietas para emagrecer: o óleo de coco extra-virgem, uma gordura que vem apresentando bons resultados.
"Eu como duas colheres de sopa todos os dias. Uma colher de sopa eu uso na salada e uma colher de sopa eu uso sobre as frutas. Ele me deixa muito bem. Eu me sinto mais saciada. Não preciso comer muito carboidrato", conta Shirlei.
Diminui a fome e aumenta o gasto calórico.
"Ele é rapidamente absorvido no intestino, vai rápido para a circulação, chega rápido ao fígado, produzindo energia rápida. Quanto mais energia a gente produz de forma rápida, mais o nosso cérebro entende que chegou a hora de parar de comer", explica a nutricionista Christine Vogel, da UFRJ.
Os benefícios do óleo de coco foram comprovados na prática em uma pesquisa feita na Universidade Federal do Rio. O cardápio incluía uma colher de sopa do óleo por dia e foi oferecido a um grupo que normalmente não é muito adepto a dietas. Todos os 30 pacientes do estudo eram homens.
O engenheiro civil Renato Lepsch diz que começou a dieta com 104 quilos e terminou com 98. O operador de equipamentos Marcos de Oliveira acrescenta: "Eu não sentia fome. Eu comia aquela quentinha pequenininha e, pronto, era suficiente."
Marcos perdeu oito quilos em um mês e meio, e olha que ele era um comilão e tanto. "O meu grande fraco é massa. Macarrão e pão. Não terminava aquela refeição e remontava e continuava comendo."
Para poder participar da pesquisa, os voluntários passaram por uma reeducação alimentar. Mas, hoje, depois de parar de consumir o óleo, a balança já não dá tantas alegrias. Todos voltaram a engordar.
Marcos se pesa e descobre que está dois quilos mais pesado do que quando começou a pesquisa. Com o choque, ele prometeu emagrecer novamente. Será? O Globo Repórter resolveu ir até o trabalho dele checar.
E ele não mentiu. Levou frango e abobrinha feita na água e sal.
Para Almir e Antônio, o óleo de coco é mais do que uma esperança para emagrecer. Eles são pacientes do Instituto Nacional de Cardiologia no Rio de Janeiro. Há dois meses, o hospital aceitou experimentar o óleo em doentes que sofreram infarto ou tiveram o coração operado.
"A gente espera que esse óleo de coco venha a auxiliar na perda de peso, na redução da gordura abdominal, que está associada a várias doenças, principalmente às doenças do coração", conta a nutricionista Glorimar Rosa, da UFRJ.
O estudo ainda está no início, mas os pacientes apostam nos efeitos do óleo.
"Não posso fazer a cirurgia. Então, preciso que a pesquisa dê certo, para que eu tenha uma melhora", diz o aposentado Almir Faria Alves.
"Já notei que melhorou, meu triglicerídeo melhorou e o peso também", acrescenta o aposentado Antônio Valério.
Feliz com o netinho, a dona de casa Sandra Lúcia Pereira achava que tudo ia bem até enfartar no banheiro há pouco mais de dois meses. Por recomendação da nutricionista, passou a usar o óleo de coco antes das refeições. A boa surpresa veio com os últimos exames de colesterol.
"A nutricionista vibrou quando viu os resultados dos exames. Tudo na dosagem certa. Não tem nenhuma taxa alta", diz Sandra.
De quebra, ela ainda perdeu cinco quilos, o que animou a dona de casa Lydia Alves Gomes, irmã de Sandra.
"Tem ratinho na casa. Ela está vendo que eu estou me dando bem, aí vem aqui, pega um pouquinho e leva para a casa dela", denuncia Sandra. "Ela vai ficar roubando do meu até quando?", brinca.
------------------------------


Dietas e Dieta

Tudo Sobre Emagrecer Emagrecedor.info