O que servir num chá das cinco?

O chá das cinco é um evento social familiar ou aberto a convidados.

Tem como características o seu horário e o consumo do chá das cinco e de bebidas quentes ou refrescantes não alcoólicas, servidas junto com alimentos leves.

Geralmente acontece em casa, sendo ótimo quando se tem uma boa varanda ou um jardim amplo e fora da visão dos transeuntes de uma rua pública.

Horário e duração. O chá das cinco, que pode também ser o Café da Tarde, tem o seu horário próprio no roteiro das refeições diárias. É tradicionalmente um lanche consumido ao fim da tarde até o por do sol, e termina antes da hora em que será necessária a iluminação artificial.

As duas primeiras horas do anoitecer, quando já é necessária a utilização de iluminação artificial, são as horas próprias para os Coquetéis, não mais para o Chá.

Hoje é mais difícil o chá das cinco como evento social, porque o lanche da tarde é feito no trabalho, ou nas proximidades dos locais de compras das pessoas. O chá das cinco foi um hábito cultivado pelas pessoas que viviam de rendas e pelas mulheres, quando as donas de casa e suas amigas não trabalhavam. Dessa forma o chá das cinco adquiriu características mais apreciadas pelas senhoras.

Com a entrada das mulheres no círculo dos negócios, a preferência passou a ser por coquetéis, mais ao gosto dos homens, que geralmente apreciam mais as bebidas alcoólicas, e vão acompanhados das esposas.

O chá das cinco é melhor servido em salão bem ventilado e claro, ou em uma varanda, com mesinhas, ou no gramado do jardim. A razão é o chá ser um suador, ainda mais eficaz que o café e o chocolate quentes. Por isso, é bastante favorável ao conforto dos participantes que seja servido em local bem ventilado.

Em uma grande recepção externa para chá das cinco, também são armadas barracas geralmente brancas, para abrigar o bufê e usam-se grandes guarda-sóis sobre mesas com cadeiras para os convidados.

Os convidados devem usar roupas mais claras, leves e frescas, observando-se modelos e cores próprios para a tarde, menos formais que as que usariam em um coquetel ou jantar. Em época mais fria, o tailleur ou o conjunto de duas peças.

chapéu pequenino é um acessório muito próprio para a ocasião. Maquiagem leve, poucas jóias, resumidas a um pequeno clipe de brilhantes ou de pedras semipreciosas.

Decoração. A decoração deve ser simples, a fim de criar um ambiente acolhedor e alegre, primaveril, e isto pode ser conseguido com folhagens em vasos suspensos na varanda, ou um ou dois vasos no chão, junto ao bufê, e um pequeno arranjo sobre a mesa do bufê.

Normalmente, a luz artificial só é usada no salão do chá das cinco se o dia escurece mais cedo, como no meio do inverno, ou se o dia se tornou chuvoso e escuro. No entanto, as luzes da sala ou do salão podem ser acesas não por necessidade, mas como elemento decorativo.

O espaço para os convidados deve ser proporcional. A impressão de sucesso vem de uma relação ideal espaço-ocupação. Espaço muito amplo dá a impressão de que muitos convidados deixaram de comparecer, mesmo que todos estejam lá.

Ambiente pequeno e com muita gente passa a impressão de despreparo e má organização. Se o espaço é grande para o número de convidados, a decoração abundante com flores e plantas contribuirá para melhorar a impressão de uma relação adequada.

Mesa do bufê. A mesa principal, que servirá de bufê, deve ser coberta por uma toalha farta, de modo a pender em cada borda da mesa porém mantendo-se as pontas a no mínimo uns 20 cm do chão.

A toalha da mesa de chá é uma peça mais delicada que as toalhas para jantar. Nas recepções luxuosas é preferido o linho branco bordado e com rendas. Nos chás íntimos, menos formais, a toalha pode ser de cor, lisas e ou em xadrez de estilo inglês.

Mesmo que o evento seja um Chá, são também servidos café e chocolate. Por isto são dispostos sobre mesa do bufê, alem do serviço de chá propriamente, um serviço de café e chocolate.

Existe grande variedade de serviços de chá e café, e de bandejas.

Os serviços nas recepções luxuosas, são tradicionalmente em prata que deve ser bem polida. No chá íntimo, o serviço pode ser em outros materiais, mas o design e as cores das peças devem ser de bom gosto.

Mesinhas. Mesas menores, geralmente desmontáveis ou dobráveis, são dispostas para os convidados tomarem lugar. O número de assentos em cada mesinha deve permitir que fiquem à vontade, com espaço para os utensílios de que vão se servir.

Os enfeites das mesas devem ser reduzidos a dimensões convenientes para não impedir o vis-à-vis das pessoas e para dar lugar aos apetrechos como xícaras, pires e pratos de chá.

Bandejas. As bandeja do serviço de chá deve brilhar e não é coberta por toalhinhas; nem guardanapo, nem toalha, nem pano bordado sobre a bandeja.

Ela deve conter o bule de chá como as jarras de refrescos e os copos; tudo deve ser trazido e mantido na bandeja sobre a mesa principal, e não em um carrinho de chá. Somente os pratos e talheres são colocados sobre a toalha.

Uma bandeja de luxo é de prata maciça, mas pode ser utilizado qualquer tipo, mesmo uma bandeja esmaltada de agradável aspecto estético. As vasilhas contendo as bebidas quentes seriam preferencialmente aquelas equipadas com um pequeno fogareiro, para manter a temperatura ideal das bebidas.

A bandeja do chá.

- Se o chá não foi previamente coado na cozinha, é necessário um coador e um recipiente para colocar as folhas de chá.

- Um bule com a infusão do chá.

- Também um bule de água deve ser mantida bem quente, para os que gostam de diluir o chá ou o café.

- Uma tigela de torrões de açúcar, com pinças, ou um açucareiro com colher (deve haver também um substituto do açúcar, de baixa caloria).

- Um pequeno pires com fatias de limão e um garfo pequeno.

Bandeja do café:

Na extremidade da mesa oposta à bandeja de chá, fica a bandeja de café.

- Uma cafeteira com o café quente.

- Uma leiteira com chocolate quente

- Um leiteira com leite quente.

- Tijelinha de torrões de açúcar ou açucareiro

Fora das bandejas. Ficam diretamente sobre a toalha do bufê as xícaras, os pires e as colherinhas de chá e de café (a xícara de café tem o lado reto, e é menor que a de chá), os pratinhos de sobremesa; colheres, garfos, guardanapos e pratinhos com rodelas de limão, além das bandejas com os comestíveis; Os guardanapos, geralmente brancos, são colocados a seu lado em pequenas pilhas, ou podem ser dobrados e colocados um guardanapo em cima de cada prato da pilha, alternadamente, como um bolo em camadas, até uma altura que não comprometa nem o equilíbrio nem a estética.

Uma grande bandeja, ou várias bandejas com diferentes comestíveis, depósitos de manteiga e geléia, e respectivas faquinhas para serem passadas nas torradas ou no pão.

Orquestra. A música proveniente de som, ou de um conjunto musical é preferivelmente só instrumental, com ritmo ou clássica, escolhida para alegrar e descontrair. O sistema de som ou o conjunto musical ficam onde possam ser ouvidos por todos, em um canto do salão ou na varanda.

Comestíveis. Bolos, o tradicional pãozinho miúdo francês, com manteiga; queijo cremoso biscoitos creme-cracker, biscoitos de aveia e mel, torradas com marmelada, geléia de laranja; sanduíches variados de patê de foie gras, de requeijão ou de maionese, canapés de caviar. O sanduíche multicor feito com pão de forma laminado com camadas de recheio em cores variadas, além de ser muito saboroso, também enfeita o bufê.

Modos de servir. Há pelo menos três maneiras de servir o chá; variam conforme o caso; a) se os convidados ficam em uma mesa com a anfitriã; b) se há bufê com mesinhas; c) se há bufê, mas não há mesinhas e apenas cadeiras, ou os convidados ficarão de pé.

a) Para o chá íntimo para pequeno número de pessoas, pode ser sentado, e todas as regras de servir aplicam-se aqui. Se há poucos convidados, com lugar para todos em uma mesa longa, então os convidados são dispostos conforme indicado no item "Lugares à mesa" e cada um terá diante de si o seu pratinho, a xícara, talheres, guardanapo, poderá servir-se ou será servido em seu lugar.

b) Para o chá com muitas pessoas, monta-se uma mesa larga que funciona como um bufê semelhante ao de uma recepção de casamento.

Quando há mesinhas para os convidados, cada pessoa dirige-se ao bufê onde pega o prato com um guardanapo, seleciona e coloca no prato o que deseja comer, passa manteiga, patê ou mel previamente no que desejar, e serve-se da bebida que preferir. Depois de se servir, traz para a mesinha em que estará assentada o pratinho com os comestíveis que escolheu e sua xícara cheia. Pode buscar a companhia que lhe aprazer, se não foram antes designados os lugares para cada convidado.

Ao servir-se, o convidado coloca primeiro o quanto deseja do chá ou do café, depois completa com o leite. Para um café com leite claro, coloca pouco café na xícara e completa com maior quantidade de leite. O mesmo para o chá. Porém, se a anfitriã colocou bules e leiteiras em certa ordem de servir, essa ordem deve ser seguida naturalmente, para que ninguém faça seu caminho na contramão dos demais.

c) Não havendo mesinhas, mesmo que haja cadeiras, será difícil ter nas mãos o pires com a xícara e ao mesmo tempo um pratinho com os comestíveis. Não havendo cadeiras, seria um malabarismo arriscado tentar, de pé, equilibrar nas mãos a xícara e o pires, com o guardanapo, a colherinha e um sanduíche ou uma fatia de bolo na beira do pires.

Se não há mesinhas, é melhor que a anfitriã mande servir os convidados, e que os comestíveis dispensem o pratinho e o garfo, e possam ser comidos seguros por um guardanapo de papel.

O papel da anfitriã deve ser o de procurar a cada convidado e estimulá-lo a se servir e ficar à vontade. Não pode estar excessivamente envolvida na tarefa de servir os convidados e, em um chá formal, sequer poderá fazê-lo.

Ajuda à anfitriã. Em um chá menos formal, porém com grande número de convidados, logo que decidir oferecer um Chá, a anfitriã deveria selecionar duas amigas que tenham maneiras sóbrias e gentis, e boa vontade para colaborar, para que a ajudem a cuidar dos convidados e servi-los junto ao bufê. Não é uma tarefa para adolescentes, mas se tiver filhos nessa idade, poderá pedir-lhes para passar as bandejas de comestíveis, mesmo que haja mesinhas. Isto dá um toque especial de graça ao encontro. Mas as meninas, ou mesmo os rapazinhos que ajudem, não devem parecer estar a executar uma tarefa além de suas forças. Se há muitos convidados, ou as bandejas são grandes demais, ou a quantidade de mesas a servir dentro da casa, na varanda e no jardim é grande, então será melhor que tenha adultos para servir.

É uma boa idéia escolher amigos que conheçam alguns convidados ou a maioria deles.

O papel da anfitriã é mais importante que o do anfitrião, seu marido, cuja ausência inclusive, não se tratando de um chá em homenagem a alguém, será perfeitamente desculpável. A própria anfitriã servirá o chá auxilia por uma filha ou por uma amiga.

Isto não impede o convidado de dirigir-se ao bufê para servir a si próprio, mas o que não é aconselhável é ir até à copa ou cozinha buscar o que deseja, ou procurar servir-se na mesa de apoio para o serviço dos empregados.

Cozinha. Sanduíches nunca têm a casca do pão de forma, nem são servidos como fatias inteiras. Também não podem ter excesso de manteiga ou de maionese. Por isso, espalha-se manteiga apenas no lado voltado para dentro de uma das fatias.

Sobre a manteiga coloca-se o recheio e juntam-se as duas fatias. Em seguida é cortada a casca nos quadro lados das fatias, e estas, por sua vez, cortadas em "X", para dar quatro pequenos sanduíches.

Modo de fazer o chá

Chá em saquinhos só para um evento não planejado. O procedimento mais prático é levar o chá já pronto e coado no bule de chá. A quantidade de folhas moídas por litro deve ser mantida todas as vezes que novas quantidades forem preparadas.

O bule deve ser previamente aquecido com um banho interno de água quente da torneira ou da chaleira.

Preparar o chá fora da cozinha, sobre a mesa do bufê exige várias providências extras.

Terá que manter uma chaleira de água fervente no bufê, sobre um fogareiro a álcool. Também a densidade do chá irá variar, tornando-se mais forte se as folhas permanecem em infusão no bule. A certa altura será necessário adicionar um pouco de água quente à infusão, para diluí-la e trazê-la novamente ao ponto.

Três colheres de sobremesa de folhas trituradas de chá mate, deixadas em infusão abafada em um litro de água quente (logo após a fervura) por cinco minutos, dão um bom chá. Ao cabo desse tempo mexa o líquido e ele estará no ponto de ser servido. Se a água derramada sobre as folhas não estiver fervendo, é provável que a bebida fique fria e sem sabor.

Modo de fazer o café. O café, devido ao seu efeito fortemente estimulante, não é bebida que combine com o chá, e está presente na recepção para aqueles que não conseguem dispensá-lo e substituí-lo pelo chá. Veja na página O Café como prepará-lo e servi-lo.

Convites e posturas: A quem e como convidar, ou como responder e atender a um convite para um evento social, constituem questões para um capítulo próprio em Boas Maneiras e Etiqueta. Não vamos abordar o assunto aqui senão de modo breve.

Um convite nunca é feito de modo mal definido, impreciso, ou em termos muito gerais. A anfitriã convida apenas amigas e amigos seus, e o Chá poderá não é o evento próprio para incluir convidados que incluiria, por exemplo, em um jantar ou coquetel. Para um chá não se convida, evidentemente, pessoas que irão sentir falta da bebida alcoólica; o certo é preparar para elas um coquetel, outro dia qualquer.

Na verdade, a anfitriã não precisa juntar todos os amigos e amigas em uma só oportunidade. Pode, por exemplo, prometer um convite futuro, quando reunirá as crianças, por exemplo, e sugerir que aos pais desta vez compareçam sem os filhos ou esperem pela oportunidade em que poderão trazê-los.

Os Chás muito formais, como festa para homenagear alguém, requerem convite escrito, na mesma forma, embora não nos mesmos termos, que para uma festa ou jantar de cerimônia. No caso de um Chá íntimo para reunir amigos, o modo de convidar é o próprio para eventos íntimos, ou seja, o telefone.

Durante o Chá, a anfitriã não se prende a suas amigas, mas circula pela sala e procura dizer uma palavra a cada convidado, sempre certificando-se de que todos estão sendo bem servidos e se sentem à vontade.

No início, deve circular mais próxima à entrada para que aqueles que chegam possam cumprimentá-la em primeiro lugar, como é devido, sem terem que atravessar o salão em meio a conhecidos que não poderão saudar sem antes cumprimentar a anfitriã. Há certas deferências que precisam ser observadas.

Quando há um convidado de honra, este deve permanecer ao lado da anfitriã junto à entrada da sala, a fim de que ela possa logo apresentá-lo a todos os convidados, à medida que forem chegando.

Ao final, despede-se primeiro da anfitriã, agradecendo-se o convite, e depois despede-se do convidado de honra. Feitas estas despedidas obrigatórias, não se percorre o salão ou o jardim despedindo-se de todos. Ao contrário, deve-se deixar o recinto o mais discretamente possível.

A permanência em chás é breve, pois os anfitriões e os convidados podem ter outros compromissos logo no início da noite, como um coquetel ou um jantar. Em média, o tempo de permanência dos convidados gira em torno de uma hora, a uma hora e meia, a partir do momento em que o chá é servido.

chá das cinco Originário da China

Originário da China, o chá foi introduzido na Europa pelos portugueses no século XVI. Um dos hábitos mais tipicamente britânicos, o chá das cinco, foi introduzido na corte inglesa por Catarina de Bragança, princesa portuguesa, filha de D. João IV, quando esta casou com Carlos III de Inglaterra.

O dote de Catarina deve ter sido um dos mais exóticos e sumptuosos da História: 500 mil libras de ouro, o livre comércio de Inglaterra com as possessões portuguesas na Ásia, em África e nas Américas, a cidade de Bombaim e uma caixa de chá...

O dote de Catarina foi determinante para o futuro imperial da Inglaterra e o chá iria mudar para sempre a vida dos seus súbditos, tornando-se um elemento indissociável da sua personalidade e da sua maneira de ser.

Ao ritual do chá das cinco estão associados os tradicionais scones e a marmalade, esta última também introduzida por Catarina de Bragança.
Conta a lenda que foi o imperador Shên Nung quem descobriu o chá quando, numa das suas longas viagens, se sentou debaixo de um arbusto a beber água quente, ideal para matar a sede por ser mais rapidamente absorvida pelo corpo do que as bebidas frias. As folhas que por acaso caíam na água conferiram-lhe um sabor e um aroma muito particulares que deliciaram o imperador.

Para os chineses, o chá está associado à beleza, pelo ritual da sua preparação, pela satisfação e paz que provoca e por ser um complemento essencial do convívio. O segredo da preparação do chá foi muito bem guardado pelos chineses e só em 1843 se descobriu que todos os tipos de chá provinham de uma mesma planta, a Camellia sinensis.

A procedência, o solo, o clima, a seleção e a preparação das folhas é que determinam as diferentes variedades existentes. O chá preto (fermentado) é cultivado na Índia, Sri Lanka, na África Oriental, Japão e Taiwan, enquanto que o chá verde (não fermentado) é originário sobretudo da China e do Japão, embora também exista na Índia e na Indonésia.

O chá Oolong (semifermentado) é oriundo de uma região chinesa chamada Foochow e de Taiwan, enquanto que o jasmim se pode encontrar na China. O Darjeeling e o Assam são produzidos sobretudo no Nordeste da Índia e no Sri Lanka.

Os blended, que resultam da mistura de vários chás, como o Earl Grey, existem em cerca de 1500 tipos de lotes diferentes. Um dos melhores chás do Mundo (preto e verde) é produzido nos Açores, em S. Miguel, na localidade de Gorreana, nas variedades Orange Pekoe, Broken e Moinha.

Como servir um chá das cinco

Há séculos que o chá se serve, com pompa e circunstância, num ritual que promete transformar qualquer tarde num momento de convívio social, com muitos e deliciosos sabores à mistura.

Embora os tradicionalismos de outrora possam não ser aplicáveis nos dias que correm, servir um chá das cinco é sempre um convite irrecusável.

O CONVITE

Da próxima vez que fizer um convite para lanchar, pense duas vezes e reformule esse convite: diga aos amigos que estão convidados para um chá das cinco! Envie um divertido email ou SMS ou pegue no telefone e convoque a família para uma tarde de chá, scones, boa disposição e boa conversa.

Coloque um RSVP no convite – para além de dar um toque de elevada importância ao evento, permitir-lhe-á saberá exatamente com quantos convidados conta para o chá das cinco. E, tal como o nome indica, marque para as cinco da tarde!

A DECORAÇÃO

Perfeito para uma tarde de Primavera, Outono ou Inverno, decida onde vai realizar o chá das cinco: no jardim, no pátio, na varanda, na sala de jantar ou junto à lareira?

Qualquer local é ideal desde que cada convidado tenha espaço suficiente para colocar a sua chávena de chá e o seu prato de sobremesa, quer seja na mesa de jantar ou numa pequena mesa de apoio.

Um centro de mesa, composto por flores ou outros frutos da época é bem-vindo, mas convém que seja baixo. Se optar por um chá das cinco temático ou se a época for de celebração (Natal, aniversário…), a decoração pode ser ainda mais criativa. Marcadores de lugar, velas e música ambiente ficam sempre bem.

A MESA

O chá das cinco é considerado um evento requintado, onde nenhum luxo é descurado, ou seja, ponha a mesa com a melhor toalha, sem esquecer os guardanapos de pano, elegantemente dispostos com anéis apropriados.

Se não tem um serviço de chá de porcelana antigo, um serviço contemporâneo irá compor a mesa igualmente bem – o importante é que não falte o bule, a leiteira e o açucareiro; uma chávena, pires e colher de chá para cada convidado, assim como um prato de sobremesa e talheres de sobremesa. Utilize travessas bonitas para dispor todas as iguarias que preparou para o chá das cinco, caso das tradicionais travessas com três alturas. Se não for de prata, certifique-se apenas que o faqueiro utilizado para servir e tomar o chá dos cinco esteja cintilante.

OS CHÁS

O chá é o rei desta festa e, por isso mesmo, não deve faltar pelo menos dois tipos de chá: um tradicional que à partida todas as pessoas apreciam (camomila, chá preto ou chá verde) e um chá diferente para animar o paladar e desafiar as provas (pode ser um chá de fruta, de baunilha ou de caramelo, por exemplo).

Pode preparar o chá previamente e servir cada um no seu respetivo bule ou então ferver a água, colocá-la em bules e deixar que os convidados preparem o seu próprio chá: basta disponibilizar uma variedade de chá em saqueta ou de folhas soltas.

Para além do açúcar para adoçar o chá (granulado ou em cubo), coloque também na mesa leite, mel e fatias de limão – para quem aprecia e para quem vai experimentar pela primeira vez!

O MENU

Tradicionalmente, um chá das cinco é acompanhado de várias e deliciosas iguarias – o chamado “finger food”, ou seja, alimentos que podem ser saboreados à mão. Isto significa que o menu de um chá das cinco deve ser preferencialmente composto por alimentos miniatura: canapés, petit-fours, macarons, biscoitos variados, queques, madalenas, scones, míni-sanduíches, incluindo ainda bolos fatiados diversos (de café, limão ou cenoura, por exemplo), sem esquecer a manteiga e uma pequena seleção de compotas.

IDEIAS INESPERADAS

Servir um chá a um grupo de amigos ou familiares tanto pode basear-se no tradicional chá inglês, como numa versão mais contemporânea do mesmo, com a utilização de chá de flor ou o “flowering tea”, onde o chá se transforma literalmente numa flor depois de adicionada a água quente à chávena.

Existem muitas outras ideias para servir um chá original e inesperado: porque não um chá japonês ou um chá marroquino? Divirta-se, prove um pouco de tudo e bom chá!