Licopeno de tomate é vitamina importante no combate à esterilidade masculina.

Licopeno preve osteoporose em mulheres no período pós-menopausa.

O seu consumo Licopeno reduz os riscos de câncer de próstata.

Auxilia no combate de problemas no coração, licopeno capaz de minimizar os riscos de ataques cardíacos.

Licopeno a substância impede a oxidação do LDL, responsável pela formação das placas de gordura no sangue.

Consequentemente, pela ocorrência de acidentes cardiovasculares, infartos do miocárdio, entre outros pode se ajudar.

Licopeno ajuda a prevenir o câncer de mama, Licopeno devido a sua ação sobre os radicais-livres, minimizando o estresse oxidativo, uma das causas da doença.

Licopeno é um carotenóide natural.

o Licopeno é um carotenóide natural, que confere a cor vermelha a frutas e vegetais.

O Licopeno é encontrado em goiabas,tomates,melancias e grapefruits rosados.

Dá-se uma atenção especial ao Licopeno extraído do tomate, onde a maior parte das pesquisas foi conduzida.

Tem ação antioxidante que protege as células contra os radicais livres.

Seu consumo deve estar associado a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis.

Indicação de Licopeno: antioxidante

Licopeno – O Que é, Para Que Serve

O licopeno é um pigmento vermelho vivo que não é produzido pelo corpo humano, mas é essencial para a saúde de órgãos como fígado, pulmões, pele, cólon, próstata, glândulas suprarrenais e sangue.

Estudos em animais apontam que o licopeno pode ter efeito antioxidante e também bloquear o crescimento de células cancerígenas. No entanto, ainda há controvérsia se estes efeitos ocorrem também em seres humanos.

O licopeno é ingerido através de muitos alimentos, mas a maior concentração disponível na natureza está no tomate.

Este artigo explicará o que é o licopeno, indicará quais alimentos são ricos nessa substância, para que serve e seus benefícios.

O que é licopeno?

O licopeno é um carotenoide, um pigmento naturalmente vermelho que dá cor ao tomate e a outros frutos e vegetais vermelhos, amarelos e alaranjados como melancia, goiaba, mamão, uva, goji berry, cenoura, entre outros.

Foi nesta última década que estudos passaram a apontar o licopeno como um protetor potencial contra certos tipos de câncer e doenças cardiovasculares.

Ele é um dos 600 carotenoides conhecidos encontrados em plantas e sua cor e suas propriedades devem-se à estrutura de sua composição química natural.

Atualmente as pessoas tomam licopeno para a prevenção de doenças do coração como aterosclerose, para tratar câncer da próstata, mama, pulmão, bexiga, ovários, cólon, e pâncreas.

O licopeno também é usado no tratamento da infecção pelo vírus HPV, que é uma das principais causas de câncer do útero.

Algumas pessoas também utilizam o licopeno para tratar a catarata e a asma.

O tomate é a principal fonte natural de licopeno

O licopeno é encontrado em quantidades particularmente elevadas em tomates e seus derivados.

Para ter uma ideia, 85 por cento do licopeno da dieta dos norte americanos vêm de produtos derivados do tomate como suco ou polpa.

No Brasil ainda não é comum tomar suco de tomate, mas vale saber que um copo de 240 ml de suco de tomate fornece cerca de 20 miligramas de licopeno, mais que a quantidade ideal recomendada por alguns estudos para ser consumida diariamente.

Outra informação interessante é que o cozimento dos tomates para fabricação de suco, polpa ou ketchup, por exemplo, transforma a estrutura química do licopeno em uma forma que é mais fácil de ser absorvida pelo nosso corpo, ou seja, o licopeno encontrado nos derivados de tomate ou em suplementos é tão ou mais fácil de ser usado pelo organismo quanto o licopeno ingerido diretamente dos alimentos.

Licopeno e seu benefício como antioxidante

O licopeno é tido como o antioxidante mais eficaz entre os carotenoides que possuem betacaroteno.

Pesquisas mostram que sua ação antioxidante é capaz de manter a força, a espessura e a fluidez das membranas das células.

As membranas celulares funcionam como os guardiões protetores das células.

Eles são responsáveis ​​pela seleção do que entra e do que sai das células e servem para permitir a entrada dos bons nutrientes e remover o lixo celular, livrando as nossas células das toxinas.

Membranas celulares saudáveis são vitais na prevenção de muitas doenças.

A absorção de licopeno pelo organismo

Nos seres humanos, a absorção do total de licopeno ingerido varia entre 10 e 30 por cento do consumo, o restante é excretado.

Esta baixa absorção ocorre por causa do formato das ligações químicas dos carotenoides e também porque os carotenoides estão ligados a outras moléculas, tais como proteínas vegetais, que limitam a sua absorção.

Os carotenoides são absorvidos pelo corpo como as gorduras, difundindo-se passivamente através da membrana celular na mucosa intestinal, onde são então absorvidos e transportados pelo sistema linfático para o fígado.

Uma vez que o licopeno é absorvido e transportado para o fígado, ele pode entrar novamente na circulação sanguínea.

O licopeno dos derivados de tomate é absorvido melhor e traz mais benefícios

É comum que o calor e a gordura adicionados ao processamento de certos vegetais esgotem os seus nutrientes, no caso do licopeno presente no tomate este processo é inverso.

De acordo com o investigador do Centro de Câncer do Estado de Ohio e professor de ciência e tecnologia de alimentos no Estado, Steven Schwartz, o licopeno presente no tomate cru está em uma configuração química caracterizada pela sua forma linear.

Diferente da formação química do licopeno em circulação no sangue humano, onde ela tem um formato curvo.

As propriedades químicas são as mesmas, apenas a configuração das moléculas são diferentes. Afirma Schwartz.

O pesquisador explica que o que descobriram foi que ao aquecer o tomate vermelho em combinação com óleo, a forma molecular de licopeno muda para a forma curva e neste formato elas são capazes de encontrar o seu caminho mais facilmente durante a digestão e são mais susceptíveis de serem transportadas para o sangue.

Neste caso, os derivados de tomate que são aquecidos e combinados com algum tipo de gordura são absorvidos melhor e potencialmente mais benéficos à saúde.

O licopeno e o câncer de próstata

Um grande número de estudos demonstrou que os homens que recebem mais licopeno na sua dieta têm menos risco de câncer de próstata.

Em um artigo publicado pela Endocrine-Related Cancer, especializada na publicação de estudos sobre o câncer no sistema endócrino, discute-se que tanto estudos feitos em roedores quanto em humanos indicaram que o licopeno pode prevenir ou retardar a progressão do câncer de próstata.

Um dos estudos relata que 32 pacientes diagnosticados com câncer de próstata foram suplementados com 30mg de licopeno diariamente através da ingestão de molho de tomate.

Em três semanas de suplementação os pacientes haviam aumentado o índice de morte das células cancerosas em comparação com pacientes não suplementadas.

Com isso, os autores concluíram que o consumo de molho de tomate pode inibir a progressão de câncer da próstata em alguns pacientes.

Através de outro estudo feito em 1995, pela Universidade de Harvard, realizado com 47.894 homens, os pesquisadores descobriram que a ingestão de 10 ou mais porções por semana de produtos derivados de tomate pode reduzir o risco de câncer de próstata em até 34 por cento.

Em laboratório, o licopeno foi capaz de suprimir o crescimento de células cancerígenas humanas, e proteger contra infecções bacterianas.

Também inibiu o crescimento de tumores do cérebro, além de reduzir o tamanho e a quantidade de tumores malignos induzidos.

A associação do licopeno com câncer de próstata tem recebido grande atenção da mídia, em parte, a dois grandes estudos feitos pela Harvard Medical School onde um total de 62.000 homens foi envolvido.

Um destes estudos indicou que consumir tomates e molho de tomate mais do que duas vezes por semana conseguiu diminuir o risco de câncer de próstata entre 21 e 34 por cento.