Diet Shake Herba Science como funcina?

O Diet shake herba Science é uma bebida cremosa, deliciosa e refrescante, formulada somente com ingredientes de origem vegetal, isenta de lactose e adicionada de vitaminas e minerais.

Perfeito para quem têm uma rotina intensa, estresses, ansiedade e possui alimentação inadequada que roubam o equilíbrio, geram substâncias nocivas, e interferem no metabolismo, podendo levar ao excesso de peso.

Ele traz fibras insolúveis para sua dieta e nutrientes da soja que apresentam benefícios na manutenção e o equilíbrio de vários fatores orgânicos, como: prevenção da osteoporose, doenças cardiovasculares, controle do diabetes, sintomas da TPM e a menopausa.

Ingredientes Diet shake herba science.

Maltodextrina, Proteína Isolada de Soja, Farinha de Arroz, Fibra de Trigo, Farinha Desengordurada de Soja, Farinha de Aveia, Mix de Vitaminas e Minerais [Fosfato Bicálcico Anidro (Cálcio / Fósforo), Carbonato de Magnésio (Magnésio), Fosfato Monocálcico Monohidratado (Cálcio / Fósforo), Fosfato Tricálcico Anidro (Cálcio / Fósforo), Maltodextrina, Pirofosfato Férrico (Ferro), Ácido Ascórbico (Vitamina C), Sulfato de Zinco Monohidratado (Zinco), Nicotinamida (Niacina), Acetato de DL-Alfa-Tocoferol (Vitamina E), Palmitato de Retinol (Vitamina A), Sulfato de Manganês Monohidratado (Manganês), Pantotenato de Cálcio (Ácido Pantotênico), Sulfato Cúprico Anidro (Cobre), Colecalciferol (Vitamina D), Cromo Dinicotinato Glicina Quelato (Cromo), Riboflavina (Vitamina B2), Cloridrato de Piridoxina (Vitamina B6), Tiamina Mononitrato (Tiamina), Ácido Fólico, Iodeto de Potássio (Iodo), Molibdato de Sódio Dihidratado (Molibdênio), Selenito de Sódio (Selênio), Fitomenadiona (Vitamina K), Biotina (Vitamina H), Cianocobalamina (Vitamina B12)], Amido Modificado, Polpa de Maçã Desidratada, Sal (Cloreto de Sódio), Suco de Uva Desidratado, Proteína Hidrolisada do Trigo.

Espessante: Goma Guar.

Aromatizantes Artificiais: Maçã Verde, Baunilha e Idêntico ao Natural de Leite.

Acidulante: Ácido Cítrico.

Estabilizante: Citrato de Sódio.

Edulcorantes Artificiais: Ciclamato de Sódio e Acessulfame K.

Corante Natural: Clorofila.

Aromatizante Natural: Extrato Seco de Chá Verde.
Recomendações de uso: consumir até 3 porções ao dia.

Coloque 3 colheres de sopa cheias (35g) de Diet Shake Herba Science em um copo grande.Adicione 300 ml de leite de soja light.

Bata ou agite vigorosamente em liquidificador ou agitador manual por cerca de 15 segundos e sirva. Você pode acrescentar gelo se preferir.

Aspectos funcionais das catequinas do chá verde no metabolismo.

RESUMO

O chá é uma bebida amplamente utilizada, perdendo apenas para a água como a bebida mais consumida no mundo.

O chá verde é rico em polifenóis, principalmente catequinas.

Entre uma variedade de efeitos benéficos à saúde atribuídos ao consumo do chá verde, grande atenção tem sido focalizada no seu efeito na redução da gordura corporal.

Este estudo tem como objetivo apresentar uma descrição dos estudos com o chá verde e/ou seus compostos bioativos relacionados à biologia celular, estudos experimentais e epidemiológicos associados ao metabolismo lipídico e à redução da gordura corporal.

Galato de epigalocatequina é o principal composto bioativo presente no chá verde e seus efeitos anti-obesidade estão sendo investigados.

Tais efeitos estão associados a diversos mecanismos bioquímicos e fisiológicos, dentre eles podem-se destacar a estimulação do metabolismo lipídico pela combinação da ingestão de catequinas e a prática de exercícios físicos regulares.

Apesar do efeito promissor do chá verde e seus compostos bioativos no tratamento da obesidade, estudos clínicos controlados devem ser conduzidos.

Finalmente, um plano alimentar adequado associado à prática regular de atividade física constitui a principal ferramenta para a prevenção da obesidade e de suas comorbidades.

Composição química do chá verde e biodisponibilidade das catequinas

Dentre os alimentos funcionais, o chá é uma bebida amplamente utilizada, apresentando um consumo mundial per capita de, aproximadamente, 120mL/dia, perdendo apenas para a água como a bebida mais consumida no mundo12,13.

Dependendo do nível de fermentação ou oxidação, o chá proveniente das folhas da Camellia sinensis pode ser categorizado em três tipos: chá verde, o qual não sofre fermentação durante o processamento e deste modo retém a cor original de suas folhas, sendo amplamente consumido em países da Ásia; o chá oolong o qual é parcialmente fermentado, resultando em um chá verde-preto, tendo sua produção e o consumo acentuados na China; e o chá preto, cujo processo de fermentação é maior do que o do chá oolong, contribuindo assim para uma coloração escurecida, além de lhe conferir sabor característico.

Este tipo de chá é mais popular na América do Norte e Europa14-16.

A composição das folhas do chá depende de uma variedade de fatores, incluindo clima, estação, processo utilizado na horticultura, além do tipo e idade da planta.

O chá verde contém componentes polifenólicos, que incluem flavanóis, flavandióis, flavonóides e ácidos fenólicos, que totalizam cerca de 30% do peso seco das folhas.

A maioria dos polifenóis do chá verde se apresentam como flavanóis, e dentre estes, predominam as catequinas13.

As quatro principais catequinas do chá verde são (-)-epicatequina (EC), (-)-3-galato de epicatequina (GEC), (-)-epigalocatequina (EGC) e 3-galato de epigalocatequina (GEGC)12,17,18 (Figura 1).

Uma típica bebida de chá verde, preparada em uma proporção de 1 grama de folhas para 100mL de água por 3 minutos de fervura, geralmente, contém cerca de 35-45 mg/100mL de catequinas e 6 mg/100mL de cafeína, dentre outros constituintes19.

Hasler17 estimou que uma xícara de 240mL de chá verde contém cerca de 200mg de GEGC, o maior constituinte polifenólico do chá verde.

Cerca de 50% das catequinas presentes no chá são epimerizadas por tratamento térmico20.

Em um estudo realizado por Xu et al.21, no qual foram comparadas a atividade antioxidante e a biodisponibilidade das epicatequinas do chá com seus epímeros, os autores puderam concluir que a reação de epimerização não alterou significantemente a atividade antioxidante, a absorção e o metabolismo dos polifenóis do chá.

O chá verde também contém uma quantidade que varia de 10 a 80mg de cafeína por xícara22, quantidade semelhante à citada por Balentine et al.19, ou seja, uma quantidade considerável, quando comparada com o café, que dependendo da marca, do tipo e da forma de preparo pode resultar em ingestões de até 73mg de cafeína em uma xícara da bebida contendo, aproximadamente, 60 mL de volume19,23.

Com relação à biodisponibilidade das catequinas, sabe-se que em humanos, a concentração de galato de epigalocatequina (GEGC) no plasma fica em torno de 1µM após 1 hora da ingestão de 6-12 copos (200mL cada) de chá verde20.

Normalmente, os níveis plasmáticos de polifenóis são baixos apresentando-se em concentrações micromolares, o que sugere que a ingestão deva ocorrer várias vezes ao dia, em uma dieta fracionada, para possivelmente proporcionar um efeito benéfico à saúde24.

Catequina: aliada da beleza e do bem-estar

Parece nome de remédio? CA-TE-QUI-NA.

De alguma forma, pode até ser remédio mesmo, pois este fitonutriente da família dos polifenóis possui propriedades que agem em algumas doenças.

Diabetes tipo 1, infecções virais, inflamações, e cardiopatias são exemplos delas.

A Catequina é incolor, solúvel em água e, até o momento, nenhuma contraindicação está ligada ao consumo dela.

Está presente em alimentos como o chá-verde, e diversos estudos atestam que sua formulação atua de maneira benéfica também sobre doenças degenerativas, câncer e o envelhecimento.

Sua composição inclui epicatequinas gallate (ECG,epicatequinas (EC), epigallocatechin (EGC) e epigallocatechin gallate (EGCG), sendo este último encontrado em maior quantidade e merecedor de mais atenção no aspecto farmacológico.

As folhas de chá-preto e verde são fontes importantes de Catequinas.

Porém, o verde sai na frente porque, embora seja produzido pela mesma planta, a Camellia sinensis, é obtido de suas folhas frescas e passa por um processo diferente.

Como o chá-verde é colhido e logo submetido ao vapor, passa por menos fermentação, inibindo a oxidação das Catequinas.

Depois, suas folhas secam naturalmente, permitindo preservar os polifenóis (na essência Catequinas), que variam de 45-90% em relação às propriedades biológicas.

Além dos chás verde e preto, é possível encontrar Catequinas naturalmente e outros tipos de alimentos, como as frutas, produtos hortícolas e o cacau. Entretanto, estão disponíveis em menores quantidades nestes itens.

Benefícios da Catequina: saiba mais

Tomando como base ainda o chá-verde, devido ao seu teor de Catequina, a relação entre os antioxidantes naturais dele e a probabilidade de controle de peso corporal é alvo de inúmeras pesquisas científicas.

Desde que, obviamente, existam hábitos de vida saudáveis.

Um estudo feito no Japão e publicado na revista Obesity concluiu que a ingestão regular de chá-verde (com um nível mais alto de Catequinas) pode auxiliar na redução da gordura e, ainda, da circunferência abdominal.

Para chegar a este resultado, foi necessário avaliar dois grupos por 12 semanas.

Aquele que consumiu mais Catequina eliminou, em média, 1,7 quilos; e reduziu o perímetro abdominal em 2,5 cm, além da gordura visceral, cuja redução chegou a 10,3³.

Portanto, as Catequinas e a cafeína encontradas no chá-verde têm uma clara função termogênica, auxiliando no aumento do gasto calórico.

Quanto à saúde mais especificamente, pesquisas demonstram que a Catequina é capaz de atuar na inibição de fatores cancerígenos e, por consequência, no surgimento de tumores malignos.

Devido às suas características antioxidantes, similares às das vitaminas C e E.

São propriedades que inibem a ação dos radicais livres e, tudo indica, também atuam na proteção do nosso sistema cardiovascular.

Estudos a respeito da oxidação de gorduras, feitos em in vitro e em alguns animais, revelam que certas Catequinas chegam a ser 10 vezes mais eficientes quando comparadas com a vitamina E, por exemplo.

Outras vantagens no consumo de Catequinas

A saúde das articulações é outro ponto importante a ser considerado na lista de benefícios da Catequina.

É que o chá-verde é anti-inflamatório potente, sendo empregado em pacientes com artrite reumatoide, osteoartrite e bursite.

Neste caso, mostram pesquisas europeias, os destaques maiores seriam as Catequinas do tipo EGCG´s.

Em modelos de tubos de ensaio com perda de cartilagem (similar ao que acontece na artrite), as EGCG promoveram a proteção dos tecidos.

Não acabou! O chá-verde pode ajudar a reduzir inflamações no intestino, inclusive atuando na prevenção do câncer de cólon.

Estudo recente revelaram que o EGCG tem capacidade de inibir a interleucina 8, um componente pró-inflamatório. Mas ainda serão necessárias pesquisas mais aprofundadas a este respeito.

De qualquer maneira, as notícias são boas em torno da Catequina e sua fonte relevante, o chá-verde. São bons indícios de que o tratamento ou cura de muitos problemas está logo ali, nas plantas, na natureza.